Vinaora Nivo SliderVinaora Nivo SliderVinaora Nivo Slider

Cientistas associam consumo de produtos light a ganho de peso

Cientistas associam consumo de produtos light a ganho de peso

Estudo americano feito com ratos também relacionou esses itens a problemas no fígado

Na sua despensa só têm lugar produtos com baixo teor de gordura e açúcar? Cuidado, talvez seja melhor priorizar os alimentos mais saudáveis que existem – os naturais e preparados em casa. É o que sugere um novo estudo da Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, publicado em maio de 2017 na revista Physiology and Behavior.

Na pesquisa, um time de cientistas liderados por Krzysztof Czaja, professor da Faculdade de Medicina Veterinária da universidade, notou que ratos alimentados com uma dieta baixa em gordura, mas rica em açúcar, engordaram mais do que os animais que receberam um cardápio balanceado. E não para por aí: os ratinhos com um menu restrito desenvolveram problemas no fígado e inflamação no cérebro.

“A maioria dos produtos com pouca ou nenhuma gordura têm um teor aumentado de açúcar e são camuflados com nomes rebuscados, dando a impressão de que são saudáveis. Mas, na realidade, essas comidas podem causar danos ao fígado e levar à obesidade”, alerta Czaja.

Para o trabalho, os estudiosos acompanharam, por quatro semanas, três grupos de ratos e monitoraram peso, consumo de calorias, composição corporal e amostras de fezes. Uma parte dos animais teve uma dieta cheia de gordura e açúcar; a outra consumiu um menu pouco gorduroso, mas abundante no ingrediente doce; e a terceira turma teve acesso a uma alimentação balanceada.

Os dois primeiros grupos desenvolveram gordura no fígado e ganharam mais peso e gordura corporal do que os bichos cuja dieta foi equilibrada. “Nosso estudo mostra que, nos ratos alimentados com pouca gordura e muito açúcar, a eficiência corporal de gerar gordura é o dobro do que a dos animais com um cardápio normal”, conta o líder da investigação.

Moral da história: na próxima vez em que for ao supermercado, fique de olho no rótulo – quanto mais nomes estranhos houver ali, menos saudável e natural é o produto. E não se esqueça de que a alimentação mais saudável que existe é aquela com comida de verdade, rica em nutrientes, texturas e sabores que, acima de tudo, agradam seu paladar.

(Fonte: Boa Forma)

 

Consumo de bebida alcoólica aumenta vontade de comer, diz estudo

Consumo de bebida alcoólica aumenta vontade de comer, diz estudo

Se você sente muita fome após tomar bebidas alcoólicas, saiba que existe uma explicação para isso. Um grupo de cientistas do Instituto Francis Crick, em Londres, descobriu que o álcool ativa os mesmos neurônios que normalmente estimulam a fome.

O estudo, publicado no dia 10 de janeiro pela "Nature Communications", pode ajudar a entender como o consumo de álcool está ligado a compulsão alimentar. As bebidas alcoólicas são ricas em calorias, por esse motivo deveriam suprime os sinais de fome do cérebro, porém de alguma forma isso não acontece.

Os pesquisadores identificaram que os componentes fundamentais dos circuitos da alimentação no cérebro, que estimulam a sensação de fome, também são ativados pelo álcool. Além disso, descobriram que a atividade dos neurônios AGRP do hipotálamo é essencial na ingestão de alimentos induzida pelo etanol, um dos componentes do álcool, na ausência de fatores sociais que possam induzir a comer demais.

Foram realizadas análises com dois grupos de ratos. O primeiro deles teve um consumo excessivo de álcool por três dias (ingerindo o equivalente a 18 doses por dia), já o segundo grupo não foi submetido ao uso do etanol.

O resultado mostrou que os ratos que permaneceram "sóbrios" não alteraram seus padrões de consumo alimentar, mas os animais que tiveram um consumo excessivo apresentaram um aumento significativo na ingestão de alimentos.

(Fonte: Minha Vida)

Dica de quarta: Coma pepino

Dica de quarta: Coma pepino

Praticar o exercício que você gosta pode ajudar a frear o ganho de peso, diz estudo

Praticar o exercício que você gosta pode ajudar a frear o ganho de peso, diz estudo

Pesquisa mostra que a autonomia em decidir pela atividade física que se deseja fazer resulta numa menor ingestão calórica pós-exercício, com baixo percentual de escolha de alimentos não-saudáveis

Uma situação comum referida pelos praticantes de atividades físicas é a mudança que o exercício provoca no apetite e na escolha dos alimentos. Recentemente, um estudo realizado por pesquisadores australianos e publicado na renomada revista científica Medicine & Science in Sports & Exercise, teve por objetivo avaliar justamente a interferência do exercício sobre a quantidade e a qualidade dos alimentos escolhidos pelos voluntários, porém adicionando mais uma variável interessantíssima: a possibilidade de se escolher também o exercício a ser praticado.

O estudo avaliou 58 voluntários, homens e mulheres, que foram distribuídos em dois grupos: o grupo cujos avaliados podiam escolher o exercício que iriam praticar, e o grupo que faria o exercício sem a chance de escolha. Porém, ambos tinham o mesmo gasto calórico.

Após a realização dos exercícios, os voluntários puderam escolher livremente num buffet de alimentos variados – saudáveis e não-saudáveis. Apesar dos voluntários reportarem um nível similar de apetite, a autonomia em se escolher o exercício que se deseja praticar resultou numa menor ingestão calórica pós-exercício, com um menor percentual de escolha de alimentos não-saudáveis.

Além disso, os avaliados com opção de escolha reportaram maior percepção de prazer e de valorização do exercício praticado. Esses resultados são muito interessantes, uma vez que reforçam a importância de se permitir que o indivíduo participe ativamente na escolha do programa de atividades físicas a que vai se submeter. Pois, apesar de todos os comprovados benefícios que os exercícios promovem sobre a saúde, certos comportamentos como a escolha inadequada de alimentos, ou seu consumo excessivo, podem prejudicar todos esses efeitos positivos.

(Fonte: Globo Esporte)

Por que o dia livre na dieta pode colocar sua saúde em perigo

Por que o dia livre na dieta pode colocar sua saúde em perigo

Estudo aponta que exagerar em itens gordurosos abre portas para o diabetes

Você se manteve firme na dieta por seis dias inteiros. Nada mais justo que se recompensar com um bolo caprichado ou aquele hambúrguer de dar água na boca, certo? Calma! Uma nova pesquisa da Universidade Loughborough, no Reino Unido, descobriu que apenas um dia de uma alimentação não balanceada já é suficiente para trazer prejuízos à sua saúde.

Os estudiosos ingleses recrutaram 15 homens e mulheres e deram a eles uma instrução pra lá de prazerosa: durante um dia inteiro eles deveriam se deliciar com um cardápio rico em gordura. Linguiça, bacon, ovos fritos e doces estavam liberados. Depois disso, os participantes tiveram seus níveis de glicose medidos e comparados aos de antes da comilança.

O resultado mostrou que, ao se empanturrar de itens não saudáveis, o organismo dos voluntários se tornou mais resistente à insulina, hormônio responsável por absorver o açúcar no sangue. Quando isso acontece, o pâncreas passa a produzir mais insulina, na tentativa de consumir a glicose excedente. E se esse quadro se torna frequente, o órgão fica sobrecarregado e deixa de funcionar como deveria – e o diabetes dá as caras.

Os pesquisadores ponderam que são necessários estudos mais detalhados para descobrir o que causa essa sensibilidade à insulina – as calorias extras, os alimentos ricos em gordura ou a combinação dos dois. Na dúvida, é melhor evitar todos esses fatores e apostar em um menu saudável a semana toda – ou em dias livres mais espaçados.

(Fonte: Boa Forma)

 

Página 3 de 206

Destaque

banner

Video em Destaque

bem-estar

Corpo Clínico

dr-almino-aa

 

Dr. Almino Cardoso Ramos

Diretor Geral da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-manuela

 

Dra. Manoela Galvão Ramos

Diretora administrativa da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-galvao

 

Dr. Manoel Galvão Neto

Coordenador/ Chefe da Endoscopia Bariátrica Avançada da Clínica Gastro Obeso Center

saibamaismais


dr-thales

 

Dr. Thales Delmondes Galvão

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-nestor-tadashi-bertin-suguitani-m

 

Dr. Nestor Tadashi Bertin

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba 


dr-eduardo-bastos-m

 

Dr. Eduardo Bastos

Coordenador Científico da Clínica Gastro Obeso Center

saiba


dr-raphael-torres

 

Dr. Raphael Tôrres Figueirêdo de Lucena

Cirurgião da Clínica Gastro Obeso Center

saiba

 

Calcule seu IMC

Peso:
Kg
Altura:
m


IMC:

 

Newsletter GOC

Name:
Email: